Num mercado tão competitivo quanto o de móveis sob medida é fundamental ter controle sobre todos os custos de produção. Em muitas de nossas implantações verificamos que alguns custos importantes não são computados. Por isso descrevemos neste post como calcular o custos que envolvem a utilização de uma máquina na linha de produção de uma marcenaria.

Bem, alguns custos são simples, cálculos diretos como valor de matéria prima, custo da hora do marceneiro, frete, etc. Já outros fatores podem ser mais complexos. O custo de uma máquina não pode ser medido apenas pelo valor investido na compra. Existem diversos custos adicionais que devem ser calculados para podermos expressar o custo da máquina. Vamos utilizar aqui o custo por hora (representado por custo/h). Vamos calcular separadamente 6 variáveis de custo e definir o custo/h de cada uma e, no final, vamos somar todos esses valores para obter o custo total por hora da máquina.

1. Depreciação da máquina

Quanto uma máquina pode desvalorizar? Essa é uma pergunta que pode ser respondida de muitas maneiras. A mais simples delas é adotada pela maioria das empresas. Trata-se de considerar uma taxa de depreciação de todo o maquinário de 10% ao ano, ou seja, a cada ano um décimo do valor investido é perdido por depreciação.

Se foi investido R$ 50.000,00 na máquina, no primeiro ano será perdido R$ 5.000,00 e ela valerá R$ 45.000,00, e assim por diante.

*Em 2017 teremos 252 dias úteis, sem considerar feriados estaduais ou municipais, nem descontando férias. Portanto, o número de dias realmente trabalhados pode chegar a 230 dias ou menos. Você deve definir isso com base no seu calendário.

**A CLT diz que o trabalhador deve trabalhar no máximo 44 horas semanais, isso resulta em 8,8 horas diárias. Porém, mesmo com o operador presente, uma máquina fica ativa normalmente, no máximo 8 horas por dia. Existem períodos de manutenção, limpeza, setup, etc. Se você trabalha com mais de um turno na mesma máquina, o tempo deve ser contabilizado levando em conta os dois turnos (ou seja, o período normal de um turno considerando as perdas de tempo X o número de turnos por dia).

Com estes dados em mãos, realizamos o seguinte cálculo: (Valor da máquina x taxa de depreciação) / horas trabalhadas no ano

Ou seja: (50.000 x 0,1) / 2016 = R$ 2,48 custo/h. Então sabemos que a cada hora do dia, perdemos R$ 2,48 por conta da depreciação da máquina.

2. Área ocupada pela máquina

O espaço que a máquina ocupa dentro do pavilhão deve ser considerado como um custo e a máquina deve ajudar a pagar esse custo. Independente se você paga aluguel ou tem um prédio próprio, o custo deve ser considerado.

Para executar esse cálculo é preciso definir a área que a máquina ocupa e saber qual o custo do m² do seu prédio.

*Se o prédio for próprio procure se informar qual o custo do m² de outros prédios próximos ao seu. Use esse valor como base para os cálculos.

** Caso queira um cálculo mais completo, adicione ao custo mensal do aluguel custos como imposto e manutenção do pavilhão.

Bem, agora você precisa dividir esse valor pelo número de horas do mês. Como no cálculo exemplo calculamos que o ano tem 2016 horas e vamos dividir esse valor por 12 meses, logo:

2016 horas / 12 meses = 168 horas/mês

Então dividimos o custo/m² pelo número de horas do mês:

10,00 custo/m² / 168 horas/mês = R$ 0,06 custo/m²/h

Chegamos a conclusão que cada metro quadrado custa R$ 0,06 por hora. Parece pouco, mas lembre-se que uma máquina pode ocupar 20m² ou 30m², então devemos multiplicar esse custo pela metragem quadrada ocupada pela máquina:

30 m² x 0,06 custo/m²/h = R$ 1,80 custo/h

Pronto, agora foi calculado o valor real do custo por hora que a máquina representa dentro do aluguel do pavilhão.

3. Manutenções

Toda máquina apresentará necessidade de manutenção em algum momento. O ideal é que você tenha um plano de manutenção preventiva. Este plano pode ser fornecido pelo fabricante da máquina e nele irá conter informações valiosas sobre o que é preciso ser revisado e os tempos para se fazer trocas de componentes. Mesmo realizando a manutenção preventiva a empresa não fica livre de realizar manutenções corretivas, portanto, todos os custos com Manutenção Preventiva e Manutenção Corretiva devem ser somados.

*Coloque nesse cálculo todos os custos com manutenção, até mesmo custo com lubrificantes, troca de mangueiras, etc. Adicione também custos com visita de técnicos como deslocamento, hospedagem, hora técnica e outros.

4. Componentes necessários para executar o trabalho

Toda máquina tem custos com consumos necessários para o seu funcionamento, os quais não podem ser definidos como manutenção. Estamos falando de fresas, serras, afiações, etc. Esse custo é simples de calcular! Faça a média de valores gastos com esses componentes (preferencialmente faça uma média*).

*Some os valores gastos nos últimos 6 meses e divida por 6 para obter uma média

5. Energia elétrica

Deve ser mensurado o gasto com a energia elétrica de cada máquina. Para isso é simples: busque informações junto à máquina sobre o consumo de energia elétrica. Normalmente essa informação se encontra gravada em uma placa de metal e fica fixada em alguma parte aparente da máquina, junto a outras informações relevantes como: número de série, modelo, tensão de alimentação, ano de fabricação, etc. Caso não encontre ali, busque informações no manual elétrico ou até mesmo com o fabricante.

Após ter essa informação em mãos, busque em sua conta de energia elétrica o valor do Kwh (quilowatt-hora). Esse valor pode variar muito em cada região. Em Porto Alegre/RS, por exemplo, o valor médio fica em torno de R$ 0,50. Agora, basta multiplicar o valor de consumo da máquina pelo valor do Kwh:

*Não esqueça de realizar esse cálculo para componentes que servem de apoio para alimentação e funcionamento das máquinas, como compressores de ar e exaustores de pó. Caso algum desses componentes alimente mais de uma máquina, você deve fazer o cálculo do custo de energia consumido por hora e dividir pelo número de máquinas que esse componente de apoio atende.


Com as 5 variáveis de custo calculadas, basta somar todos os valores encontrados e chegar ao Custo por hora da máquina.

Considerando os dados do nosso exemplo fica assim:

2,48 (depreciação) + 1,80 (área ocupada) + 1,98 (manutenções) + 2,38 (componentes) + 2,50 (energia elétrica)

= R$ 11,14 Custo por hora da máquina 

Agora, que você já sabe como levantar o custo horário de uma máquina, pode revisar se já esta considerando todos os valores necessários. Uma análise econômica da sua operação não pode ser realizada sem um conhecimento do custo operacional horário de cada máquina.  Além disso é importante saber corretamente todos os custos para entender porque é importante maximizar as horas trabalhadas de uma máquina, essa deve ser uma das metas de um bom gestor.

Para facilitar o seu cálculo, desenvolvemos uma planilha de cálculo. Veja abaixo.

Planilha Gratuita Para Cálculo do Custo/Hora da Máquina