No nosso último post sobre o assunto, tratamos da importância da aprendizagem coletiva para ter funcionários engajados. Que o resultado obtido, por uma equipe de alto desempenho é responsabilidade de todos e não somente de quem explicitamente o fez. Por exemplo, na marcenaria, não é porque o marceneiro deixou o móvel sob medida perfeitamente montado na casa do cliente, que deve receber os prêmios pelo belo trabalho. O mérito é de toda a equipe, começando pelo projetista, passando por quem produziu as peças, quem embalou, conferiu, entregou e até por quem cobrou o cliente.
O primeiro passo para engajar os funcionários na marcenaria é entender como um grupo pode se tornar uma equipe. Um grupo, comparado a uma equipe, possui insuficiente senso de colaboração e necessita de desenvolvimento adequado e contínuo para se tornar uma equipe de alto desempenho, exigindo da empresa um esforço na educação para o engajamento dos funcionários.

O segundo passo é respeitar a importância do papel de cada integrante da equipe. O grupo inicia a caminhada evolutiva aprendendo a respeitar a importância do papel de cada um, independente do status atribuído ao cargo. A liderança precisa
promover a união útil dos seus funcionários, principalmente nas situações em que a empresa está submetida a fortes pressões ou dificuldades inerentes ao negócio.

Depois precisa estimular os profissionais a cooperarem para resolverem os problemas que se apresentam, proporcionando uma experiência estimulante e pedagógica para lidar com a realidade dos fatos. Isso não significa ausência de conflitos, mas sim que há aprendizado oportunizado com os conflitos de percepções. Neste ponto é muito importante evitar os embates por queixas emocionais inúteis, muito comum nestas relações.

Não procure culpados. Um ponto importante é entender também que a coesão numa equipe de alto desempenho está diretamente ligada ao modo adequado como se enfrenta os conflitos. Como se age com as posturas emocionais de defesa que
emergem. Isto é, saber enfrentar o que está realmente acontecendo na equipe, usando as dificuldades como a principal matéria-prima para estimular e promover o crescimento da consciência da responsabilidade de todos, evitando a busca infrutífera de culpados.

“A liderança precisa promover a união útil dos seus funcionários, principalmente nas situações em que a empresa está submetida a fortes pressões ou dificuldades inerentes ao negócio.”

Finalizando, o alinhamento de expectativas entre os profissionais e a empresa é fator muito relevante no desenvolvimento de uma equipe. Tudo isso exige um bom sistema de comunicação interna e externa. As pessoas precisam de informações e de
uma orientação clara sobre o que é esperado delas. Muitos problemas são oriundos do descuido, principalmente com a comunicação interna, até mesmo, na fase de contratação de profissionais. Ao se desenvolver a equipe, estes problemas de
comunicação emergirão com frequência porque causam ruídos recorrentes no grupo que intenciona evoluir, e devem ser solucionados cuidadosamente pela liderança.

Sugiro uma leitura sobre a implantação de processos da marcenaria. A definição de processos é importante para iniciar o aprendizado coletivo sobre o que se espera de um setor e da empresa como um todo. Com um processo já é possível a definição dos papéis, explicitando as competências e responsabilidades dos cargos e das funções, o estabelecimento dos perfis desejados dos ocupantes dos cargos e o comportamento esperado. Estes são cuidados básicos para facilitar o desenvolvimento do engajamento. E estes assuntos serão tratados no próximo post.